Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hoje sim fumei de mais

ao meu pai

ao meu pai

Hoje sim fumei de mais

31
Out21

Dream

Frederico

I dreamed of angel gals. They were moving a vehicle. I was sort of bragging because it seemed very strange. They told me not to bother because it was sort of important to them. Meanwhile, the vehicle was kind of damaged. They were very kind and sweet. I was told not to touch them. But it seems they weren't so worried after all. I even touch one of those girls. I was delighted.

30
Out21

Senhor Estranho

Frederico

Acontece que há uns tempos vi um vídeo que me surpreendeu sobremaneira: acerca de um rapaz arrebatado por uma rapariga no metro da cidade; em como o rapaz se precipitava sobre a rapariga para lhe agredir. Todavia, o rapaz chauvinista não foi muito longe; naquele mesmo instante, um homem, algo cuidadoso, surpreendeu-o de forma completamente inapelável ao baixar-lhe as calças. O rapaz chauvinista tão pouco pronunciou uma palavra, um gemido que seja, diante dos olhos que perscrutavam os seus. Ora, esta noite sonhei que eu próprio era alvo de uma patranha semelhante. Estávamos no metro. Nisto, sou surpreendido por uma voz de rapariga não muito longe de mim. A voz, ostensiva, parecia tentar-me pela persuasão e cinismo... Bem, não sei ao certo que tipo de sugestão podia advir dali - afinal tratava-se de um sonho -, mas assim era: uma voz retumbante, a grassar o cínico. Olhei portanto naquela direcção; vi o que parecia ser um vexame para a minha integridade moral. "Hey" - procurei dizer com o mínimo de clareza. Neste somenos, sou surpreendido pelo mesmo homem, algo cuidadoso para naquele instante me baixar as calças. Resulta que o sonho tomou um aspecto cómico, pois que o homem tentava com todo o seu à vontade, embora o málogro, baixar-me as calças, não fosse o meu cinto de couro com fivela que havia adquirido naquela hora. Por sua vez a rapariga parecia esconder o rosto atrás do braço, apesar e sem que alguma vez alguém partisse para a agressão. "Ofereço-te um colar" - disse, sem parecer antipático. Porém a rapariga contava que o homem atrás de mim lograsse a sua empresa, como se aquilo dependesse muito de si, para baixar-me as calças, e contudo o seu braço não deixava de esconder o rosto. Desisti: fui embora e desci no meu apeadeiro, sempre com um homem que insistia baixar-me as calças.

28
Out21

Nero

Frederico
Já vos contei a história de Nero? 
 
Certa vez acompanhei Nero, o pastor alemão do meu avô, para um espaço esconso. Que onírico, transcorridos estes anos. 
 
Nós éramos muito amigos, mas desde então ele guardou uma espécie de rancor por mim - muito devido ao facto de ser neto e menino bonito do avô. Nesse dia apareci no tugúrio onde os empregados do meu avô se abasteciam - onde o meu avô, sendo mestre de obra, era o responsável - apareci, dizia, e houve um grande aparato, pois o meu ombro jorrava sangue depois de ter subido a uma cerca onde Nero me tentou abocanhar. «Peço-te que não subas - pensei para mim no alto da cerca. Mais onírico que isso era o que se constava na época: que um dos empregados do meu avô era hermafrodita.
 

26
Out21

Sopa

Frederico

Tanta vez decidi sair de casa pela janela do rés do chão da cozinha. Era impreterível manter a calma para descer pé ante pé. De referir que a queda de quatro metros até lá em baixo daria para partir desde logo os fracos bracinhos. Ao cabo desta faxina, que nessa idade nada tem de tenebroso, deixei-me cair na relva. Todavia, num desses dias de sol pela manhã, e neste somenos, ouvi uma senhora no sétimo andar do prédio em frente: «Oh, menino! Venha emborcar uma sopa! - Esta mulher, pensei para mim, já me convidou para emborcar sopa éne vezes. Vai pensar que vou ser ladrão - isto, porque consta que, quem desce pela janela, na idade adulta será ladrão. Bruxas, muito provavelmente. Decidi pois sair de fininho, estando a senhora na janela à espera que eu desse o sinal. Nada. Pelos vistos, houve quem me traísse; a mãe minha mãe já estava ao corrente. Quem senão a velha do sétimo andar? «Chamei pelo seu filho e ele, nada. Foi como se me ignorasse.»
Quando enfim cheguei em casa, a porta já estava destrancada. Nesse dia, teria perdido a chave. Ainda houvera tempo para ir ao recreio sob o sol tórrido, «Hey, outra vez a descer pela janela de cozinha? Que significa esta nova circunstância? Ouve, tu tiraste dinheiro da minha carteira?

O meu Patreon

Become a Patron!

O meu twitter

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub